A minha hiperatividade costuma assustar os mais pacatos. Pois a minha dedicação à tudo que faço costuma ter a força da água com a paixão do fogo!

Sou arquiteta em horário comercial; professora de design de interiores em algumas noites; blogueira em outras, incluindo jornalismo automobilístico e alguns papos furados (como este aqui!); filha, irmã, tia, esposa e amiga à todo o momento e dona de casa apenas para cozinhar (que eu adoro!) o restante eu vou levando…

Por isso algumas pessoas me perguntam se eu nunca descanso. E eu confesso que o meu marido, muitas vezes, tem que me obrigar a descansar em uma tarde de domingo. Ele diz que eu não sei ficar sem fazer nada! E quem já viu a minha agenda, sabe que é verdade.

Outro dia meu irmão me ligou para perguntar se sobrava tempo para fazer a janta. Ele estava lendo meus textos no Ultrapassagem e ficou impressionado com a minha produção literária. Mas eu nem respondi a sua pergunta, só dei uma bela gargalhada. Ele conhece a irmã que tem!

Eu sempre tenho tempo para tudo! E sempre quero fazer tudo! Principalmente se for algo relacionado aos meus hobbies preferidos… Fórmula 1, música, cinema, arquitetura, video-game, livros, fotografia, e o mais recente: escrever!

Mas os anos convivendo com a enxaqueca me fizeram aprender a ignorar a dor. Por isso já me aconteceu de não perceber os sinais do meu corpo e exigir sempre mais, mais e mais. Até que adoeci, mas nem assim consegui ficar parada. Deitada na cama, meu corpo doente descansa, mas a minha mente nunca pára! Nunca pára!!!

Por isso quando eu durmo é pra valer! Durmo feito uma pedra! Pode cair o mundo que eu não saio do lugar… Coitado do meu marido, pois muitas vezes acabo dormindo no meio da cama, e então ele acaba passando a noite encolhido em um canto, porque eu não saio dali até as 6 horas da manhã do dia seguinte, quando meu celular desperta e me acorda para um novo dia!

Ele costuma dizer que eu morro toda noite para renascer toda manhã… e que me reinvento a todo momento! Que eu, com o meu cabelo vermelho-alaranjado, sou a concretização do mito da ave Fenix!

Vê se pode tanto romantismo? E ele é o homem da minha vida! Assim como eu sou “as mulheres” da vida dele, cada uma com a sua amável personalidade renascida toda manhã.

Beijos! Mari Espada.