Ah, os vilões das histórias em quadrinhos e contos de fadas… Quem nunca olhou para eles com interesse e, até mesmo, simpatia? E depois alimentou um sentimento de culpa porque deveria gostar mais dos heróis, sem hesitar.

Mas o que fazer se os vilões parecem mais humanos do que os heróis? Com toda a sua complexidade de caráter e pensamento, eles conquistam a nossa admiração por representar, inconscientemente, uma visão exagerada de nós mesmos.

Já os heróis não brincam com os limites da razão e da loucura, e nem experimentam a dúvida, diferente do ser humano comum em sua vida cotidiana. Não, o herói nunca confunde o bem e o mal, e sabe exatamente o que deve ser feito.

Por isso, até mesmo o mais humano dos heróis perde feio para um bom vilão, como é o caso do Batman e do Coringa.

Uma prova disso são essas fotos de estúdio (ainda sem tratamento) para divulgação do filme Batman e o Cavaleiro das Trevas, onde mostra a pureza da expressão de Christian Bale e Heath Ledger ao explorar os limites de seu personagem para cativar o público.

Porém, por melhor que seja o ator e o personagem, muitas vezes as fotos do Batman parecem ser apenas de Christian Bale em uma fantasia de borracha, por culpa dessa superficialidade dos heróis, que não nos permite estabelecer uma relação direta com eles.

Já o Coringa é o Coringa, e cada olhar, sorriso e gesto registrado nas fotos demonstra cada uma de suas faces, até mesmo o seu lado bom que, claramente é oprimido por todos os outros lados.

Assim, aquele com quem nos identificamos é aquele que mais provoca o nosso interesse. E por esse motivo, eu acredito que nós admiramos os heróis por causa dos seus vilões!

(Para ver todas as fotos, acesse: http://imgur.com/a/reNSM)

Mari Espada.