Caminhando por Berlim, você vai perceber algumas plaquinhas douradas na calçada, em frente a alguns prédios. Elas registram os nomes e dados das pessoas que foram retiradas dos seus lares e levadas aos campos de concentração na época do regime nazista.

No prédio onde eu moro tem 2 plaquinhas, em memória de um casal judeu: Henriette e Carl Huth. E hoje eu descobri suas histórias de vida e morte…

Henriette Gottlieb (sobrenome de solteira) nasceu em Berlim e era cantora de ópera. Trabalhou na Deutsche Oper de 1913 à 1935, quando foi demitida por ser judia. O marido dela, Carl Huth, não era famoso. Ele era polonês e tinha uma empresa de sucata, que foi fechada também em 1935.

De 1935 a 1941 eles continuaram morando aqui na pobreza. No ano de 1938 Carl foi prisioneiro em Sachsenhausen, ao norte de Berlim. E em outubro de 41 os dois foram deportados para Lodz, na Polônia, um campo de trabalho forçado.

Henriette morreu 3 meses depois, em janeiro de 1942 aos 58 anos. O marido morreu pouco depois, em maio de 42, aos 60 anos. Provavelmente ambos morreram de fome, pois Lodz não era um campo de extermínio até o final de 1942.

É de arrepiar! 🙁

Que eles descansem em paz. Essa é a minha homenagem em suas memórias.

Mais informações:

Sobre as plaquinhas douradas
http://simplesmenteberlim.com/stolperstein-pedras-do-tropeco/

Biografia da Henriette (em inglês)
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Henriette_Gottlieb

Outros dados e foto
http://mugi.hfmt-hamburg.de/Artikel/Henriette_Gottlieb